<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6768210\x26blogName\x3dalmanaque+de+ironias+menores\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://almanaque-de-ironias-menores.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://almanaque-de-ironias-menores.blogspot.com/\x26vt\x3d-2784242289558651308', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
almanaque de ironias menores

caderno de exercícios avulsos e breves, por serôdio d’o. & 3ás 

19.2.10


o espírito

sofri uma infância com demasiado deus. toda a força da apresentação que faziam dele era estranha. a dificuldade que tive em reconhecê-lo tornou-se uma modalidade de auto-recriminação, uma culpa sobre as outras culpas que decorriam já daquela culpa. porém, com o tempo, para mim nada disto fez diferença. assumi a culpa de ser e de crer assim, reiterei-a. ri. não ter conhecido deus foi o acidente melhor da minha vida. sendo culpado sem culpa, ainda sinto a culpa a desvanecer-se, porque não há inocentes. através da demora aprendi a perder, percebi a estranheza que me compreende. sinto que a culpa que tenho não é em vão, é maior do que eu. a solidão acrescenta-me, cresço devagar. e, embora nunca tenha preferido a perfeição, a geometria leva-me a lugares diferentes. s. d’o.

referência

17.2.10


a possibilidade dos lugares, iv

purgo as neves. há muito tempo que tenho dificuldade
nos negócios do espírito. s. d’o.

referência

15.2.10


a possibilidade dos lugares, iii

o mundo, a fissura pela qual a palavra o abre. na agressão, na salvação,
a velocidade moderna, a beleza das coisas não ditas e o futuro. já nenhum
estabelecimento encerra para balanço. as prioridades continuam a ser
as banalidades do costume. uma mecânica só, apenas física, o défice
orçamental padrão. preocupa o desemprego, a pobreza, a fome, desemprego,
pobreza e fome dos outros, sempre os outros, enquanto os outros, eles,
preocupam-se simplesmente com a vida deles, com o lugar deles. s. d’o.

referência

5.2.10


a possibilidade dos lugares, ii

a vida é fácil, eu não acredito, é fazer as conjecturas certas, se assim
fosse seria demasiado fácil, é esquecer a cada instante a hipótese
de não haver substância ou subsistência sob os teus pés
, continuo
a não acreditar e a não ter motivo para acreditar, é confiar na colisão
com as horas
. olho os pulsos, faltam-lhe as marcas. talvez esteja a ver
mal, talvez necessite de outra educação. a culpa não se apaga assim. s. d’o.

referência

3.2.10


a possibilidade dos lugares, i

excepto aqui. rés às vidas, colhes o espaço, colheita do outono
de dois mil e nove. aqui está assinalado, mas é-te indiferente
tanto o sinal quanto o lugar para o qual o sinal remete.
talvez possamos fazer algo diferente, conversar, por exemplo.
talvez eu possa dizer tu és rei porque combateste muito
e venceste muitos, ainda que isso não seja verdade. podemos fingir
a hipocrisia, ninguém há-de reparar. s. d’o.

referência

1.2.10


nada para a noite

as etapas e as regras da habitação exigem respiração.

há muito tempo que habito esta casa e apalpo as paredes
para extrair delas a ocupação. separo-me assim, por dentro.
não lamento a cegueira por que me confesso, sei que não vejo,
simplesmente não vejo. para além disto, por não ver, para mim
o tempo tornou-se o mesmo, noite permanente e sem auxílio.

où va la lumière quand on l’éteint?, não formulo esta pergunta,
atalho para a condição de goethe. a respiração une-nos à morte
e cada um de nós ronda a distância entre tanto e quase, explora
a hipótese das paredes, a guarda que providenciam - neste caso
uma possibilidade como qualquer outra.

dizes há uma mancha acima, acima de quê?, acima de amo-te,
não consigo entender, como se fosse um vaso. janeiro começa
sempre em dezembro. é ainda a noite longa. s. d’o.

referência

2004/2017 - serôdio d’o. & 3ás (escritos e subscritos por © sérgio faria).