<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6768210\x26blogName\x3dalmanaque+de+ironias+menores\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://almanaque-de-ironias-menores.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://almanaque-de-ironias-menores.blogspot.com/\x26vt\x3d-2784242289558651308', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
almanaque de ironias menores

caderno de exercícios avulsos e breves, por serôdio d’o. & 3ás 

19.11.10


itinerário da devolução

daqui vejo que já não estou
e que por não estar não sou
aqui. assim começo a nostalgia,
o caminho que consigo perder. s. d’o.

referência

17.11.10


camuflagem

de que outro modo a transgressão poderia ser
sagrada? mais um demónio doméstico,
mais uma verdade diante da qual ela ri,
mais a intriga, a manipulação, o sofrimento
e nada disto é matéria para resolver o enigma.

o protocolo recomenda, abram a bilheteira
mais cedo, mas não abrem. vamos chegar
atrasados, não faças perguntas, já saímos
do prelúdio da aceleração. guarda a navalha. s. d’o.

referência

15.11.10




em camadas, onde estiveste?, a ressaca regressa,
como viagem sem cuidado. s. d’o.

referência

5.11.10


leopardo ferido na asa

no sonho americano não entram leopardos. no sonho europeu
também não. mas quem - o pronome é pessoal - vem lamber
os vasos sacrificais, é assim que o ritual é anunciado desde kafka,
são os leopardos. vêm pelas horas estrangeiras, pela escrita
fantasma, pelo que acontecerá. os leopardos continuam a vir
e a entrar, um leopardo ferido na asa à frente, os outros depois.
em dias de ácido, o manicómio parece um jardim, pétalas
caídas no chão, beatas fumegantes entre elas, uma paisagem
como se fosse sob um vulcão, a fuligem e a cinza debaixo dos pés,
a garrafa vazia. uma garrafa vazia é sinal para partir, vidros,
uma onda de calor que parece um vulto, um génio sem forma,
saído da fornalha. quantos desejos concederá? s. d’o.

referência

3.11.10


mãos a marte

não espanta que estejamos a regressar ao cálculo
dos danos, a colcha não está sobre a cama. é inverno
ou não passamos devagar. as horas, as horas desconhecidas
começaram mais cedo. está frio e eu estou a falar sobre ti
para conhecer-te melhor e esquecer-te. s. d’o.

referência

1.11.10


mala carne

o passo terceiro o sexo as drogas a lassidão moral
a beleza as mãos a alagá-la o vampiro
operações secretas mulheres sublimes com asas pequenas
têm os cornos nos cotovelos doem-lhes s. d’o.

referência

2004/2017 - serôdio d’o. & 3ás (escritos e subscritos por © sérgio faria).