<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6768210\x26blogName\x3dalmanaque+de+ironias+menores\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://almanaque-de-ironias-menores.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://almanaque-de-ironias-menores.blogspot.com/\x26vt\x3d-2784242289558651308', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
almanaque de ironias menores

caderno de exercícios avulsos e breves, por serôdio d’o. & 3ás 

29.4.09


horto das passagens

o corpo tem que ser jogado contra as coisas
e contra os nomes atribuídos às coisas, tem que ser
descoberto assim. o corpo tem que ser jogado
para a culpa, que faz o esquecimento das alfaias
com as quais a terra foi prenhe. o corpo tem que ser falido
pela força, sem resistência à forma, contra o ritmo
do tributo. o corpo tem que ser. o corpo tem que ser.
o corpo tem que ser. o corpo tem que ser. e depois?

depois dança ou morte. dança ou morte, reitere-se.
porque talvez a nossa sentença seja continuar a temporada
quando a morte já apela, porque o corpo tem que ser
e será. s. d’o.

referência

3.4.09


plateau anatómico

um corpo incindível e só a força que o trespassa
e se assenta na designação. o absoluto.

depois há uma vaga que ergue o princípio das coisas,
o êxtase da anunciação. a narrativa continua então,
sem o começo límpido que as regras lhe aspiraram
e sem o baptismo geral dos inícios e das coisas.

agora a metáfora como metáfora estende-se, elide
a condição própria e, no mesmo movimento ou lance
de lâmina, encontra-se com o seu apagamento.
ilude a sua denúncia, faz o seu desaparecimento.

com isto fico sem saber onde estou. um corpo
inteiro. coloco-o na jura e apoio-o. recebo a notícia
da pulsação. sou dentro de uma casa que é dentro
de mim. o plano raso, o ângulo morto. duas
da manhã, três da manhã, quatro da manhã. continuo
a esperar, respiro nas pausas certas. improviso
o abismo, a ânsia. inclino-me para a queda. e o corpo
não parte, também não resiste, nada. s. d’o.

referência

1.4.09




uma ambição final?, alcançar a escuridão que precede a luz,
concretizar o reconhecimento da indivisibilidade da composição,
da origem. s. d’o.

referência

2004/2017 - serôdio d’o. & 3ás (escritos e subscritos por © sérgio faria).