<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6768210\x26blogName\x3dalmanaque+de+ironias+menores\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://almanaque-de-ironias-menores.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://almanaque-de-ironias-menores.blogspot.com/\x26vt\x3d-2784242289558651308', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
almanaque de ironias menores

caderno de exercícios avulsos e breves, por serôdio d’o. & 3ás 

28.5.10


suite roteiros, vii

e se depois


e se depois houvesse quem, só houvesse quem e mais ninguém,
que na relação mais durasse e não magoasse, que fosse assim
e a verdade, toda a verdade, apenas a verdade, nada menos
ou mais do que a verdade, nesta cidade onde estou sem saber
porquê, sei apenas que às contingências não se endereçam perguntas
e delas não convém esperar confidências, e se depois houvesse quem
dissesse que não estamos preparados, e preparados para quê?,
preparados para estarmos e sermos simplesmente, como eu sou o único
da família ainda vivo e sem a preocupação de amanhar testamento,
porque e se depois houvesse quem, quem quer que fosse,
não seria eu. s. d’o.

referência

26.5.10


suite roteiros, vi

ainda new york


na tua américa, a minha também, o sangue, inevitavelmente
o nosso sangue, a necessidade pública de morrer, tudo
faz parte do jogo.

sofrer, sofrer necessariamente, não cheirar as coisas,
não beber coca-cola, deixá-los fumar marlboros ou sg lights.
somos o mundo pequeno, quatro na mesma mesa, tão mundo
quão pequeno, que, sendo, cada um de nós é, nas formas
e nos modos que pode, as mulheres, os homems, como se
as mulheres e os homens fossem respectivamente a mulher
e o homem, singulares, sem aquele lugar para descobrir
a esposa, a amante, o amigo, o traidor, o crime, o castigo
e o motivo de um e outro. não sei porquê, continuamos
à espera dos detectives. s. d’o.

referência

24.5.10


suite roteiros, v

após calipso


se as preferências são o que são, algo antes e algo depois,
não importa o que seja a revelação pessoal. nenhuma angústia
decorre daí. o suicídio já existe, já existia, antes de ser
ideia ou forma que se encontra com a vida. e foi assim.

ela olhava o mundo novo, olhava-o sem deslumbre, assumia-o
como se fosse o testamento antigo, como o princípio foi
escrito, em que as armas dormiam com os corpos por serem
para o espírito da propriedade e da defesa, na autencidade
da terra, dos rebanhos e dos sacrifícios. não havia deuses
desconhecidos, morria-se por doença ou dilúvio e ela descobriu
que podia morrer também por si. e morreu. s. d’o.

referência

14.5.10


suite roteiros, iv

contigo


requinte, elegância, ó, tudo bem. meto a língua fora da boca,
tento incendiá-la com um isqueiro. não sei se isto é uma manobra
moderna, a cena não parece que seja. e não espero que olhes
impávida para o meu gesto, não tens disposição a colidir
como eu tenho, com a loucura. se sou forte?, ó minha amiga, não
sou. o choque frontal convém-me mas não é assim tanto, prefiro
o borrão, o contágio pelo que possa doer, infecção, sem antibiótico. s. d’o.

referência

12.5.10


suite roteiros, iii

new york


esta morte próxima não dói, não tem sangue, não tem nódoa
e parece não ter cheiro. bem sei que hás-de avisar-me, é assim
porque a morte é fresca
. talvez seja, mas eu não declarei a morte
fresca, declarei-a próxima. não estou a tentar um exercício
surrealista, estou apenas cansado e sem paciência para diluir
paixões ou infinitos neste episódio. tu és quem estende a fita
amarela com a inscrição police line do not cross. vamos esperar
os detectives. s. d’o.

referência

10.5.10


suite roteiros, ii

um dia na vida de uma pessoa


uma pessoa passeia uma televisão. a pessoa senta-se na cadeira de uma esplanada e senta a televisão numa das cadeiras ao seu lado. depois a pessoa levanta-se e continua a passear a televisão até que se senta no banco de um jardim e senta também a televisão nesse banco. depois a pessoa regressa a casa com a televisão e deita-a na cama onde se deita também. a pessoa adormece de frente para o ecrã da televisão e tem sonhos a preto e branco. s. d’o.

referência

2004/2017 - serôdio d’o. & 3ás (escritos e subscritos por © sérgio faria).