<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6768210\x26blogName\x3dalmanaque+de+ironias+menores\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://almanaque-de-ironias-menores.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://almanaque-de-ironias-menores.blogspot.com/\x26vt\x3d-2784242289558651308', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
almanaque de ironias menores

caderno de exercícios avulsos e breves, por serôdio d’o. & 3ás 

23.7.10


círculo

ainda antes de ser feliz, um tempo para dizer o que existe,
tudo, é uma sensação. o que eu desejo
, repito, ainda não é
existir
, sinto também. s. d’o.

referência

21.7.10


inquérito por questionário

uma flor no deserto, um aquário low cost. é o que podemos,
classe cê ou dê, social sem nome, letra apenas para iludir
o opróbrio da desqualificação, e se a voar, então, classe turística,
categoria quase de porão. abençoado revisionismo, a víbora está
viva, bem viva. classe social?, classe trabalhadora, status?,
solteiro, desempregado, talvez profissional liberal, às vezes isso,
profissional liberal.

filosofia?, pouca, se não nenhuma, depois de kierkegaard
e sem deus, o que é mais ou menos como estar no trapézio
sem rede. nacionalidade?, portugal é um cais, o lodo é o nosso recreio,
portuguesa quase todos os dias. feliz?, animado, não desarmado,
sem a ideia de que a felicidade pode voltar, porque a felicidade é
o momento antes da presença e a tristeza é o regresso da felicidade
sem a condição original que a proporcionou antes. previsões?,
expectativas?, um ponto final. s. d’o.

referência

19.7.10


amar salazar

se eu sei que escrevi isto já morto, a questão
que se levanta - dadas as circunstâncias, levanta
talvez não seja a palavra adequada - é esta,
como é que leste isto? aqui é sempre a tentação
de saber quem contará a verdade inteira, portanto
também a história do que poderia ter sido. como?,
pergunto-te, ouves-me? s. d’o.

referência

9.7.10


exercício de presença

imagina uma cidade, dá-lhe escala, oito milhões ou mais, não muito
mais. nesse tamanho são muitos os poucos que fazem qualquer coisa
que te interessa, cruzas-te com eles nos lugares onde as mesmas coisas
acontecem, a comunhão, a urbanidade. podes escolher, escolhes.

agora são sete e meia da manhã, sábado, o primeiro do verão. a fanfarra
dos bombeiros voluntários ecoa desde a parte baixa da cidade pequena.
não é possível imaginar tudo. s. d’o.

referência

7.7.10


a tua empresa chama-se eliminar

agora?, costas face a costas, é o momento por que a proximidade
nos faz animais. depois?, intuição ou método, a distância
é o predicado das mãos. não sei para onde vão as tuas mãos. s. d’o.

referência

5.7.10


talvez seja amor

e ficamos, íntimos da meia noite, a colaborar com o tempo
seguido, os músculos ainda a contraírem, a modernidade
simultaneamente mais quieta e sem forma, esta cidade é muito
grande, enquanto a ressonância de tais quietude e dissolução
encontra-nos o corpo, fazendo-nos corpo a corpo, corpo
para corpo. o jogo é de mãos. se é pânico, é antropologia.
se é diferente, pode admitir-se, talvez seja amor. s. d’o.

referência

2004/2017 - serôdio d’o. & 3ás (escritos e subscritos por © sérgio faria).