<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6768210\x26blogName\x3dalmanaque+de+ironias+menores\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://almanaque-de-ironias-menores.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://almanaque-de-ironias-menores.blogspot.com/\x26vt\x3d-2784242289558651308', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
almanaque de ironias menores

caderno de exercícios avulsos e breves, por serôdio d’o. & 3ás 

27.7.07


os mesmos dias diferentes

os dias deste verão estão diferentes, com o tempo
menos cansado e caiado. é por isso que, já depois
da temporada dos frutos, não sei onde regressar.
a este subterrâneo?, onde todos estamos sozinhos,
que começa a abrir-se e a devolver-nos. não sei.
o mesmo sangue falhado, a roupa que adivinho,
estancam-me aqui. todos estamos sozinhos, demasiado sós,
para que, como nós, os dias deste verão possam ser diferentes,
sem a lâmina que nos separa. s. d’o.

referência

25.7.07


dias diferentes

este mar que, como cordeiro que se guarda
com o seu pastor, quebra nos teus pés
não vem do evangelho que aprendi contigo.
esse outro chegava encrespado, sem antídoto,
antes da anestesia, recordas-te? era a massa
levantada pela matéria mesma, de onde se esperava
o peixe, não as redes vazias. que é feito desse mar?,
mar de quando não domado, sem veias cansadas.
que é feito desse corpo estremecido?, pancada
sobre pancada, repetido e permanente, jazigo
onde os homens vão sem morar. que é feito?,
respondo, não sei. os dias deste verão estão diferentes. s. d’o.

referência

23.7.07


a missão

veio com o cuidado de pensar o sul, um chão pequeno. ao chegar ao baldio, contornando o redil comunitário, o coro dos sete loucos louvo-o. deteve-se por instantes, antes de seguir, agora capaz de compreender o sentido das últimas palavras ditar por um daqueles sete, o mais velho, sem nós, aqui jamais serias um estranho. depois continuou ainda mais para sul. s. d’o.

referência

13.7.07


estação silêncio

prefiro que as histórias se construam durante a noite,
pesam mais os lábios. esta é um exemplo.

a menina disse sou os meus sapatos - que, reparei,
eram de verniz - e continuou a escovar as manchas
do papel de parede. olhei-a. ela, olhos nos olhos,
confrontou a minha presença. eu nada disse, nada
tinha a dizer. sem demorar silente, ela repetiu sou
os meus sapatos
. talvez fosse. percebi que não percebi
se ela escovava manchas ou sombras do papel de parede.
a casa não tinha paredes. e ela acrescentou laisse
tomber les filles
. sem socorro, eu permaneci calado.
nada tinha a dizer. s. d’o.

referência

11.7.07


a repetição do corpo

a manobra implicava o transplante de destroços.
durante, a lanterna caiu-lhe das mãos. houve luz
derrubada, episódio com sequência. na circunstância,
incapaz de abreviar ou nomear o fogo, começou o gesto
de lançar-se sobre a escada, para trazer os degraus
a mais do que os seus pés. lançou-se para onde saíam
os golpes da noite. deixou cair o corpo, caiu. após, recuperou,
ergueu-se. pudesse eu não ter limites, disse. e aproximou-se
de um espelho, para, levantado e pelo reflexo, sentir repetir-se,
antes de tornar a aproximar-se da escada. s. d’o.

referência

9.7.07


final da tarde

vejo sangue. o que estás a fazer?,
aqui. ainda te recordo morta
.
sinto o corpo em movimento,
demasiado preso a ti. o traço
da lâmina, o seu fio preciso.
depois o golpe
. colho os dedos
precipitados sobre a sombra,
como se, através desse gesto,
conseguisse recuperar uma parte
do desperdício. um sopro árido
toca os dedos, as mãos. é o final
da tarde. algum dia o teu corpo
regressará?, aqui
. s. d’o.

referência

2004/2017 - serôdio d’o. & 3ás (escritos e subscritos por © sérgio faria).