<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6768210\x26blogName\x3dalmanaque+de+ironias+menores\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://almanaque-de-ironias-menores.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://almanaque-de-ironias-menores.blogspot.com/\x26vt\x3d-2784242289558651308', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
almanaque de ironias menores

caderno de exercícios avulsos e breves, por serôdio d’o. & 3ás 

22.10.10


são simpáticos lá, no cemitério

folhas no chão, o outono chegou. o caderno
está esventrado. as vozes dão realidade à cena.
o cigarro fumado também, lights. vejo a trajectória
da beata desde os lábios até à calçada, o fogo
partido nos paralelepípedos de pedra, pequeno,
a sola do sapato sobre ele, fogo morto, salto alto.
as folhas pautadas estão em branco, correm
sopradas pelo vento não mais vazias do que o gesto
que precipitou a beata para o chão, que dispensou
o acessório para a morte. provavelmente será assim
que morreremos. s. d’o.

referência

20.10.10


metáfora

que o amor é e é tanto mas não é mais
de o que é ou o que seja, porque quem ama
ou quem ame caiu em verbo intransitivo
e dele não sairá ileso. s. d’o.

referência

18.10.10


livro fechado

chove nos corações. a rainha já morreu?, não,
ainda não. é apenas verão, os amores começaram
a acabar, as páginas dos romances começaram
a escassear. agora a que página dobrar o canto? s. d’o.

referência

8.10.10


todos outrora

a noite chegou e encostou-se numa posição
quase sem inclinação. para que ninguém estranhasse,
disseram é assim que as noites chegam e deixaram
os outros sentarem-se à vontade. entre eles havia o fascínio
de ter um livro na mão, rasgar-lhe as páginas
com cuidado e oferecê-las a quem as merecesse.
o juízo é um juízo simples, de resultado sim ou não.
há quem mereça, há quem não mereça e há os outros. s. d’o.

referência

6.10.10


nunca fui vizinho de coltrane

a verdade não é suficiente. desenha-me uma viagem,
promete-me que o fazes. a angústia nos arquipélagos
não se diz do mesmo modo. vou contigo. s. d’o.

referência

4.10.10


há palavras à espera

dissídio ou fome, dores de vida
sem solenidade, mas não, por nunca,
a opressão. s. d’o.

referência

2004/2017 - serôdio d’o. & 3ás (escritos e subscritos por © sérgio faria).