<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6768210\x26blogName\x3dalmanaque+de+ironias+menores\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://almanaque-de-ironias-menores.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://almanaque-de-ironias-menores.blogspot.com/\x26vt\x3d-2784242289558651308', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
almanaque de ironias menores

caderno de exercícios avulsos e breves, por serôdio d’o. & 3ás 

22.8.08


veredas para depois, vi

ao princípio, sobrante, é a amputação,
a cesura que faz a falta. depois é a sequência
amanhada pela levada do tempo, a sutura
que, através da recuperação dos seus avulsos
anteriores, permite recompor o que surge
novo. porém, com a perda, o novo não é,
não será, porque a morte não permite desperdiçar
o que foi antes. s. d’o.

referência

20.8.08


veredas para depois, v

dos que foram, fica a sua continuação
como lugar eterno, que a detença consome
e restitui à visita, para não permitir
o esquecimento do que foi. e assim continua
a dor, pelo que já não é. s. d’o.

referência

18.8.08


veredas para depois, iv

primeiro alcança-se a culpa, sob a forma de peso.
depois chega a confirmação, crespa no modo
que é a sobrevivência. e o que não é dito, no tempo
continuado, é a usura da memória, o passado
acrescentado, como condenação e perseguição.
aberta uma fresta na carne, o vazio preenche-a
consigo, atraindo ainda mais o que foi,
quase esgotando a hipótese de prolongamento
por senda diferente daquela que o tempo fez decreto
e acabou. s. d’o.

referência

8.8.08


veredas para depois, iii

ao dizer essa enfermidade não é de morte,*
ele foi a quem não entregou a espera
ou a súplica. a cobrança foi adiada apenas,
sem resolver o luto, porque não há prazo
que ultrapasse a demora que o tempo preenche
sem volta. s. d’o.
__________
* evangelho de são joão, capítulo onze, versículo quatro.

referência

6.8.08


veredas para depois, ii

e depois?, depois é a recolha dos retalhos,
a reconstituição do elenco dos detalhes,
a tentativa de os guardar num posto
da memória, para iludir o poço da falta,
a omissão continuada. s. d’o.

referência

4.8.08


veredas para depois, i

ao iluminar-se a morte, situada num plano
necessariamente adiantado ou estranho, percebe-se
o caminho pelo qual será o regresso possível,
porém nunca consumado. de depois não há retorno,
eterno ou outro. s. d’o.

referência

2004/2017 - serôdio d’o. & 3ás (escritos e subscritos por © sérgio faria).