<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6768210\x26blogName\x3dalmanaque+de+ironias+menores\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://almanaque-de-ironias-menores.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://almanaque-de-ironias-menores.blogspot.com/\x26vt\x3d-2784242289558651308', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
almanaque de ironias menores

caderno de exercícios avulsos e breves, por serôdio d’o. & 3ás 

26.6.09


o mundo

talvez algo esteja a acontecer, embora eu esteja quieto
e neste momento não tenha como saber se, algo está a acontecer,
algo está a acontecer. além de mim. s. d’o.

referência

24.6.09




preservo as minhas brincadeiras de menino. sou hipócrita,
não cresci tanto assim. as ruínas permanecem as mesmas,
a minha morada, e eu mais próximo delas, a respirar. s. d’o.

referência

22.6.09




perguntam-me que sentido único preferes? e eu, após hesitar,
respondo o que é um corpo. s. d’o.

referência

12.6.09

the imperfect is our paradise *

a teoria do poema

as horas e os momentos que investes contra o tempo
fazem-te minha irmã de lâminas. a consequência da descoberta?,
o módulo, a transmissão do sufoco. somos modernos, irmã,
substância da vindima ancestral, geração sobre geração,
corpo de corpo, corpo de corpo de corpo. o que vejo?
uma mulher a espreitar para dentro da suspeita, a fendê-la,
como fruto. as manhãs são assim, metamorfose, encerramento
seminal. e um café.

mãe, és tu? sim, mãe, eu aponto o lugar que ocupo. mãe,
os velhos estão a passar, conduzidos para o copo com vinho
que os espera no manel do raul. passam lentamente, versos,
vultos dobrados, mãe. não vão para a igreja. eu vou com eles,

embora em passo atrasado. passo também. uma palavra orgânica,
em carne crua. custa-me o cheiro do vinho. sinto-o. a tragédia
da infância presente pela disposição, não pelas reminiscências.
o procedimento fragmentado da psicanálise, a unidade quotidiana.
uma rodada, pago eu. tento uma dobra, a aceitação. falho. eles bebem
o vinho à mesma. sinto que sinto, sinto muito. não sinto. os mortos
são para enterrar.

o cortejo fúnebre começa a desfilar. a infecção, ser assim,
fôlego de nada. ser assim a todas as horas, mó de moer-se
e a teoria disso. nenhuma preocupação poderá salvar-nos.
estou a aprender a ser órfão. s. d’o.

__________
* verso de “the poems of our climate”, de wallace stevens.

referência

10.6.09


pátria

a morte a fazer-se em mim, o assédio da ideia
disso. a falência da presença, crescida em suplemento
do corpo meu.

o apelo da ascensão. digo não vou, prefiro o esgotamento.
na tua mão a trégua para a deambulação, para a descida. vou,
mas custa-me respirar assim, tão abaixo do nível das coisas
gerais e dos nomes que lhes foram atribuídos. é já a indiferença
na tua mão, agora na minha mão também, a infecção que alastra
porque me encostei ao lado do tempo que, como o reino nosso,
escorre para o ofício pleno da perda. nada mais desejamos,
basta-nos a culpa. s. d’o.

referência

8.6.09


uma cena urbana

as unhas pintadas combinadas com as rugas e os anéis.
o trato da cidade, a rapidez que tece a atitude blasé.
uma pressa de destino, a vigilância dos preconceitos
que permite observar uma mulher e a criança que a acompanha.
a família que espera cada um de muitos de nós. uma rapariga
sentada. a cumplicidade da presença, a cumplicidade da espera.

ele chega. corpos precoces, o beijo furtivo. o mundo
demasiado apertado, ela e ele em abraço, as mãos trocadas.
aproximam-se do balcão. a empregada diz boa noite,
sem sorrir. ela hesita, ele decide. dois bilhetes para a sala três,
se faz favor
. ela paga. s. d’o.

referência

2004/2017 - serôdio d’o. & 3ás (escritos e subscritos por © sérgio faria).