<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6768210\x26blogName\x3dalmanaque+de+ironias+menores\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://almanaque-de-ironias-menores.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://almanaque-de-ironias-menores.blogspot.com/\x26vt\x3d-2784242289558651308', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
almanaque de ironias menores

caderno de exercícios avulsos e breves, por serôdio d’o. & 3ás 

31.10.07


testamento a depois

esta é a minha morada, esboroada, caída nas provas,
cercada e pungida pela condição insular, lenta,
demorada nas horas, sem espanto ou abrigo, aberta
no terreiro e lavada na eira. é aqui que sou, cavado
no nada onde começas, cavado no covil em que cresço,
íntegro e inteiro, quebrado no corpo que quebro,
prenúncio em que digo a morte. sou a exercer magistério
de solto. e, quando não for, se não for por preguiça,
é porque já fui. soltem o repique de aleluia e levem-me,
sem capelo, sem solenidade. se me fizerem a vontade,
restarei cinza. s. d’o.

referência

29.10.07


kamikaze waits

sentiu o outono nas mãos. não tinha significado semelhante
ao do outono marcado na agenda. nas suas mãos, a estação
não era de papel, não era o canto do instante que o equinócio
demora a virar.

havia mais de uma semana que o outono acontecia-lhe assim,
nas mãos, concreto. com ele, ainda a sul e com a luz
durante mais tempo, começou a aprender a massa hiperbórea.
depois sentiu a emigração dos pássaros em avesso. chamam
a esta sensação o apelo do norte. porém waits não partiu,
ficou, sabedor que haveriam mais outonos suceder
como aquele, atingidos nas suas mãos como certeza,
ali, naquele mesmo lugar. s. d’o.

referência

12.10.07


o conservador

julgo que havia um placard neste passeio, precisamente
neste passeio, aqui ou pouco mais adiante, posto no gradeamento
que contorna todo o jardim. não recordo a mensagem inscrita
em tal placard, recordo a sua forma apenas, hexagonal,
fundo branco. porquê?, porque ando a treinar a sensibilidade
para os detalhes. s. d’o.

referência

10.10.07


o professor

ao corpo disputo a fome e a fé, das quais
um efeito repulsivo me afasta. não desisto.
como uma mãe colhe o seu fruto, seguro
uma telefonia antiga junto ao corpo.

acredito que deus transmite em onda curta,
não em onda média ou frequência modulada.
acredito assim porque imagino-o próximo
e deferente, ao nosso alcance, possível
de encontrar. atesta este credo nenhuma prova
distinta do meu coração maçado. s. d’o.

referência

8.10.07


o viajante

venho da possibilidade de amar sem espera,
de encontrar-te na cumplicidade que as palavras
podem. venho tarde, eu sei, cheguei agora.
e sei que agrava a situação o facto de, para continuar
a ser o resgate da ferida que sou, ter que regressar
ainda hoje. de outro modo, aqui, serei um engano apenas.
sabes?, não, não posso ficar. s. d’o.

referência

2004/2017 - serôdio d’o. & 3ás (escritos e subscritos por © sérgio faria).