<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6768210\x26blogName\x3dalmanaque+de+ironias+menores\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://almanaque-de-ironias-menores.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://almanaque-de-ironias-menores.blogspot.com/\x26vt\x3d-2784242289558651308', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
almanaque de ironias menores

caderno de exercícios avulsos e breves, por serôdio d’o. & 3ás 

16.8.12





boa noite. estávamos para nascer quando a tradição foi substituída
pelo improviso. encontrámo-nos e conversámos muitas vezes
sobre isso, o acontecimento do nosso nascimento, entretendo o cuidado
de não perder o tempo já passado. os medos vinham acompanhar-nos

com frequência, como se fossem novos. a apneia dos mortos, a infância
vaga outra vez, a melancolia que regressa com o final repetido das tardes
neste sul, onde as sombras cobiçam os corpos e os espectros em proporções
iguais, sem distinção de casos, matérias ou fronteira. agora a residência

está calada. as canções mais mortas ganham espaço às outras. o ambiente
é soturno, abafado duplamente, circunstância que está para além do verão.
soam gritos pequenos. não era o que estava previsto, o ruído dos detalhes

começados e a que não foi prestada atenção. a esta hora sente-se a região
das almas exausta. percebemos a dedução das ruínas. o território morno,
uma mão tensa, o desamparo, a lubrificação nos dedos, o estremecimento. s. d’o.


2004/2017 - serôdio d’o. & 3ás (escritos e subscritos por © sérgio faria).