<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6768210\x26blogName\x3dalmanaque+de+ironias+menores\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttps://almanaque-de-ironias-menores.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://almanaque-de-ironias-menores.blogspot.com/\x26vt\x3d8858308340356233877', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
almanaque de ironias menores

caderno de exercícios avulsos e breves, por serôdio d’o. & 3ás 

21.12.09


auto

culpa, culpa, culpa, calcinada, a voz como matéria, sedimento para amanho, os pulmões cheios disso mas encapsulados no peito, quando sobre a mesa está a natureza morta, uma amostra, tudo incompleto, sem correspondência, sem complemento, a morte à espreita, inteira como ela é. o perigo também, o perigo, alguém calou o perigo, talvez deus, talvez não, ninguém sabe quem, e agora o perigo acontece sem aviso, anónimo, ventríloquo do mesmo, o silêncio, como as mortes em cada morte. o perigo acontece como metamorfose pelo manuseamento, pela mão de obra, já não é o frio por onde chega o beijo, agora é sem perguntas, sem respostas. a explicação é simples, pode chamar-se-lhe o nome que tem, amor. é resolver uma vida, duas vidas, pelo menos, duas vidas, quantas forem, as que forem, do mesmo modo que me permito recordar o dia doze de maio de mil novecentos e cinquenta e sete, ainda sem o aparato das peregrinações actuais a fátima, o facto sucedeu em brooklyn, new york, no ebetts field, um estádio que já não existe, marilyn monroe a chutar uma bola de futebol, usava um vestido azul, turquesa talvez, as fotografias são antigas, antes de um jogo entre uma equipa norte-americana, all stars, e uma equipa israelita, o הפועל תל אביב. recordo também o anão e o polícia, ao lado de marilyn monroe, quase morta, faltavam cinco anos para ela morrer, morreu em mil novecentos e sessenta e dois, a cinco de agosto. e subitamente o amor pode ter sangue, tem uma instituição com que concorda. s. d’o.


2004/2018 - serôdio d’o. & 3ás (escritos e subscritos por © sérgio faria).