<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6768210\x26blogName\x3dalmanaque+de+ironias+menores\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttps://almanaque-de-ironias-menores.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://almanaque-de-ironias-menores.blogspot.com/\x26vt\x3d8858308340356233877', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
almanaque de ironias menores

caderno de exercícios avulsos e breves, por serôdio d’o. & 3ás 

4.9.09

“fortalecei-me com maçãs,
porque desfaleço de amor”.
*


jogo final

falta-me a coragem para ser vagabundo. posso culpar a grei
desta falta de coragem, falta que é minha. a grei vincula-me
a outros, faz-me dependente da alteridade e faz a alteridade
depender de mim, numa sucessão de compreensões cujo princípio
já não é possível compreender como foi. agora a compreensão depende
tanto da companhia quanto da solidão. alguém ainda pode ser nómada?

apesar da improbabilidade, a grei não existe. eu teria de ser nómada
através de outros e por causa deles, rota fatal.

julgo que já li a fome. foi numa segunda-feira ou terça-feira
ou quarta-feira ou sexta-feira, não leio ao sábado e ao domingo
e, porque é dia de mercado, à quinta-feira não leio a fome
como leio nos outros dias, pelo que, tendo lido a fome e não
sabendo em que dia sucedeu isso, li-a num dia que não sei qual,
mas que também não interessa saber, terá sido uma segunda-feira
ou terça-feira ou quarta-feira ou sexta-feira. a fome é um poema
clássico, não é um poema moderno. antigamente chamavam-lhe
veredicto, actualmente crêem que seja um estímulo e que o exercício
em ginásio é um ersatz somático dela. nenhum deus testemunhou
ou ofereceu a fome.

afirmo: um dia li a fome. depois o amor passou ao ataque,
combateu-me, combati-o, estanquei-o. o amor mata, o amor fere,
o amor morre. erro cravado, carne espetada, corpo incerto. um dia li
a fome e agora sou-a, capaz de amar e morrer, amado e morto,
vagabundo que não tenho coragem para ser. culpo os outros
que me culpam também. somos comunidade, não nos conhecemos.

deportado para um pomar de macieiras, hei-de ser alimentado
pelo fruto do bicho, da evidência e da culpa, conforme narrativa
do princípio. o princípio foi há muito tempo, poderíamos esquecê-lo
e, em comunhão, dedicar cuidado maior ao fim, para merecê-lo
íntegro, como merecemos o pó que haveremos ser e a casca do fruto
que palpamos e mordemos. por algum motivo, somos insistidos
no princípio irrevogável. nenhum alívio podemos, podemos apenas
escolher. escolho não cultivar o horto. li a fome, sei que li a fome.
e sei que no fim estará escrito game over e não haverá depois
ou mais amor para nos enfraquecer. s. d’o.
__________
* versos do versículo quinto, do capítulo segundo de cântico dos cânticos.


2004/2018 - serôdio d’o. & 3ás (escritos e subscritos por © sérgio faria).