<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6768210\x26blogName\x3dalmanaque+de+ironias+menores\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttps://almanaque-de-ironias-menores.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://almanaque-de-ironias-menores.blogspot.com/\x26vt\x3d8858308340356233877', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
almanaque de ironias menores

caderno de exercícios avulsos e breves, por serôdio d’o. & 3ás 

14.9.09


de nada, en rêvant amours monstres

ser até à exustão, até à medida da palavra, do final dela.
a armadilha, a luz de setembro, a revelação, a decadência.
as sombras transfiguradas em tom outonal, a vindima, os corpos
na vindima, o suor, o sangue, o vinho. vultos maduros, ofícios
inteiros, a força do trabalho, até ceder. o amparo do chão,
o cálice dos sobreviventes. porquê?, a que névoa foram robustos?
o silêncio filosófico. ser até à exaustão, ser até à extinção,
à declaração morena da desistência.

o fruto colhido nos cestos, carregados nos ombros até ao lagar.
o movimento continua. aqui em baixo as coisas ainda estão turvas.
dos que caem das torres, vêem-se as linhas do céu, o exílio
dos mortos. nada disto é saudade. s. d’o.


2004/2018 - serôdio d’o. & 3ás (escritos e subscritos por © sérgio faria).